Blog do João Renato

Topo
Blog do João Renato

Blog do João Renato

Categorias

Histórico

Como encarar o trânsito de BH, o mais caótico do país

João Renato

12/03/2019 13h44

Trânsito tem tirado motoristas do sério em BH (Foto: Gil Leonardi/Imprensa MG)

Não é exatamente motivo para se orgulhar, mas não deixa de ser um título. Segundo um levantamento divulgado na semana passada pelo Inrix Global Traffic Scorecard, que estuda o tráfego de veículos no mundo todo, o belo-horizontino é o brasileiro que passa mais tempo em congestionamentos. Em 2018, foram 202 horas perdidas em engarrafamentos, contra 199 dos cariocas e 154 horas dos paulistanos.

O resultado disso a gente já sabe: nervosismo, cansaço, estresse e aquela falta de paciência que tanto tem assustado motoristas e pedestres no que é o trânsito mais caótico do país. Mas se a experiência de sair de casa e encarar esse trânsito todo é inevitável, pelo menos dá para torná-la menos sofrida com algumas dicas. Vamos a eles:

Para o ônibus, conte com o celular
Aplicativos como o Moovit mostram o tempo que falta para os ônibus chegarem nos pontos, e também apresentam sugestões de linhas. Ajuda a não passar horas esperando o próximo coletivo.

Conheça rotas alternativas
Nessa, o Waze não pode te ajudar muito. Apesar de útil em alguns momentos, o aplicativo costuma ignorar questões como ribanceiras íngremes, locais perigosos e ruas estreitas. O melhor a se fazer é saber já de antemão alguns caminhos que podem ser alternativas à rota principal. Para isso, o Google Maps pode ser uma solução, já que o aplicativo indica opções de caminhos para um mesmo destino. Aproveite o fim de semana, com o trânsito mais tranquilo, para testar e aprender o atalho.

O rádio é seu amigo
Praticamente todas as emissoras de rádio têm boletins atualizados sobre o trânsito, inclusive com a ajuda de helicópteros, que dão um panorama melhor sobre a situação de momento.

Se possível, vá de bike
Já falamos sobre a bicicleta nesse blog, mas não custa repetir. Se o seu trajeto permite que você use a bike para chegar, vale a pena tomar coragem e encarar o mundo sobre duas rodas. Além de mais rápido, vai ser bem mais barato.

Faça uma playlist das boas
Se não tem como escapar do trânsito, dá para deixar a experiência menos desagradável com uma música bem selecionada. Monte uma playlist com suas canções preferidas antes de sair de casa e deixe o som rolar enquanto o trânsito não rola.

Dirigir em BH é uma missão cada vez mais complicada. (Foto: Isabel Baldoni/PBH)

Mantenha a calma
Pode até parecer, mas os outros motoristas não são seus inimigos; eles estão na mesma situação. Então, por mais difícil que pareça, vale a pena respirar fundo e pensar duas vezes antes de meter a mão na buzina e ser agressivo ao volante.

Tenha um lanchinho
Biscoito, barrinha de cereal e água são algumas boas ideias para manter no carro caso a fome bata e o trânsito ainda esteja longe de começar a rodar. Lembre-se de dar preferência a itens que não vão apodrecer com facilidade (como frutas) e nem derreter no calor (como chocolates).

Tenha um sapato de dirigir
Vale a pena ter um calçado confortável morando no carro, como um tênis mais antigo, e só usá-lo nas horas em que você passa no volante. Dirigir de salto ou sapato social apertado pode deixar a experiência de passar horas no trânsito ainda mais desagradável.

Sobre o autor

João Renato Faria é jornalista de Belo Horizonte, atualmente no jornal O Tempo, e com passagens por Portal Uai, Estado de Minas e revista Veja BH. Gosta de descobrir novidades gastronômicas pela cidade, de música pesada, de rock instrumental e novidades da cena independente. Tem a compulsão de comprar livros mais rápido do que consegue lê-los. Já pensou em se mudar de BH, mas por enquanto a cidade é o único lugar com um feijão-tropeiro decente.

Sobre o blog

A música e a gastronomia de Belo Horizonte são o foco do blog. Os posts abordam tendências sonoras, eventos, atividades de casas de shows e a movimentação da cena independente. Os textos também falam sobre as boas opções de comidas de rua, bares e lanchonetes, veteranas ou recém-inauguradas na cidade.