Blog do João Renato

Topo
Blog do João Renato

Blog do João Renato

Categorias

Histórico

Psicodelia dos hippies e espírito paz e amor inspiram cena musical mineira

João Renato

21/08/2019 16h08

Psicotrópicos é uma das novas bandas psicodélicas de Minas (Foto: Sérgio Aguilar)

Em agosto de 1969, o mundo observava, atônito, cerca de 400 mil pessoas tomarem uma fazenda no interior do Estado de Nova York para assistir, por três dias, a shows dos principais artistas da época, como e celebrar o ideal hippie de paz e amor.

Passados exatos 50 anos do festival de Woodstock, o evento ainda reverbera e inspira gente pelo mundo todo. Tanto que o espírito daquela época segue firme e forte em Minas Gerais, onde tem ganhado força uma cena de bandas que apostam em um som psicodélico, com claras inspirações do rock que fez a cabeça dos hippies dos ano 60. Confira:

Psicotrópicos


O sexteto de Belo Horizonte tem Os Mutantes como uma das inspirações confessas. Talvez seja por isso que o grupo, seguindo o exemplo do trio de Rita Lee e dos irmãos Dias, curta passear por diversos estilos musicais, sem se prender a nenhum deles. Em "Onda Trópica", primeiro álbum do grupo, tem espaço para rock progressivo, blues, soul, afrobeat e até ritmos latinos. Em "Fogueira", por exemplo, a pegada é de rock'n'roll setentista com maracatu, enquanto "Princesinha" tem samba e reggae em uma letra que questiona o racismo no país.

Quem quiser conferir de perto essa mistura sonora, inclusive, terá uma chance neste sábado, 24, já que a banda lança o disco com show n'A Autêntica (Rua Alagoas, 1.172, Savassi), a partir das 22h, com ingressos a R$ 20.

Pássaro Vivo


Se Woodstock tivesse acontecido no interior de Minas Gerais, é bem possível que o som do Pássaro Vivo já estivesse entre nós a mais tempo. Formada em Patos de Minas, o sexteto lançou recentemente o disco "Sobre Asas e Raízes", um trabalho surpreendentemente sólido e maduro – ainda mais quando se leva em conta que a banda só consolidou sua formação em 2017. O grupo conta com Lucas de Paula (violão, viola e vocal), Alan Girardeli (baixo e percussão), Ciro Nunes (bateria, flauta e vocal), Maria Zanuncio (voz e percussão), Alexandre Rosa (guitarra, violão e voz) e Marcello Soares (voz e percussão), e bebe direto na fonte das bandas brasileiras dos anos 70, como Secos e Molhados e Novos Baianos, mas sem deixar de dar um toque contemporâneo e uma pitada de regionalismo. "Primavera", por exemplo, tem uma viola típica do sertão mineiro, enquanto "Beija Flor" não faria feio na discografia solo de um beatle.

Dom Pepo


O rock'n'roll psicodélico é a base sonora sobre a qual a banda desenvolve seu trabalho. Formado em 2013, o sexteto que conta com João Vitor (vocal), Max (violão), Deco (guitarra), Chico Bueno (baixo), Marcelo (bateria) e Gabruga (teclado) tem se reinventado desde o lançamento do EP "Mu", de 2015. A prova disso é a faixa "1 de 3", que ganhou clipe recentemente e mostra uma levada de funk americano setentista e ska. A faixa é uma prévia do primeiro disco completo do grupo, batizado de "Escuridão já é luz suficiente", que, inclusive, está com campanha de financiamento para ser lançado. Clique aqui para conferir.

A Outra Banda da Lua


Criada em Montes Claros, espécie de capital do Norte de Minas, a banda se orgulha do som regional, como as festas de folia de reis, que entram na mistura que o próprio quinteto batizou de rock rural afro psicodélico. A voz aveludada e sedosa de Marina Sena – que também vem fazendo bonito à frente do projeto Rosa Neon – é o diferencial do grupo, que também conta com Edson Lima (guitarra), Mateus Sizílio (bateria), Matheus Bragança (baixo) e André Oliva (guitarra e percussão). Apesar de ainda estar devendo um álbum completo, já dá para entender a pegada da banda com o registro gravado ao vivo no impressionante estúdio Sonastério, em Nova Lima. "Carrim de Picolé", por exemplo, soma a fase Rita Lee dos Mutantes com um rock progressivo mais contemporâneo e regionalismos, enquanto "Na Roça" faz tributo ao estilo de vida típico do interior mineiro, com seus pomares e cachoeiras.

Ménage


Bem ao espírito dos hippies, a banda abraça o deboísmo, espécie de filosofia que surgiu na internet e que se resume a "ficar de boa". Conta com dois discos lançados: "Gram de La Musique", de 2015, e "Terra", de 2017. Nos dois trabalhos, fica evidente a mistura sonora de jazz, rock, dub, ritmos latinos e afrobrasileiros. A faixa "Iemanjá" é um belo cartão de visitas do grupo: palmas, corais, uma levada suingada de rock, e uma letra que remete à religiões de matrizes africanas.

Sobre o autor

João Renato Faria é jornalista de Belo Horizonte, atualmente no jornal O Tempo, e com passagens por Portal Uai, Estado de Minas e revista Veja BH. Gosta de descobrir novidades gastronômicas pela cidade, de música pesada, de rock instrumental e novidades da cena independente. Tem a compulsão de comprar livros mais rápido do que consegue lê-los. Já pensou em se mudar de BH, mas por enquanto a cidade é o único lugar com um feijão-tropeiro decente.

Sobre o blog

A música e a gastronomia de Belo Horizonte são o foco do blog. Os posts abordam tendências sonoras, eventos, atividades de casas de shows e a movimentação da cena independente. Os textos também falam sobre as boas opções de comidas de rua, bares e lanchonetes, veteranas ou recém-inauguradas na cidade.