Blog do João Renato

Topo
Blog do João Renato

Blog do João Renato

Categorias

Histórico

Inhotim segue firme e com novidades, seis meses após rompimento

João Renato

07/08/2019 11h23

Inhotim não foi atingido pelo rompimento da barragem, mas encarou reflexos da tragédia (Foto: Marcelo Coelho)

Quando a barragem da mina de Córrego do Feijão, em Brumadinho, se rompeu, causando uma das maiores tragédias da mineração e um prejuízo incalculável de vidas, o impacto no Instituto Inhotim foi imediato. A cerca de 20km do local da tragédia, o maior museu a céu aberto de arte contemporânea do mundo não foi diretamente atingido pela lama. Mas com cerca de 80% de seus funcionários sendo moradores de Brumadinho, era natural que houvesse um momento de luto e silêncio. E foi dessa reflexão que o Inhotim percebeu que não só não poderia parar, como iria abraçar ainda mais sua comunidade.

Lenine foi uma das atrações dos últimos meses (Foto: William Gomes)

Seis meses depois da tragédia, o museu superou uma queda de até 40% dos seus visitantes e está a todo vapor. Como se não faltassem atrativos entre as centenas de obras de arte do acervo, o espaço também resolveu intensificar sua agenda de atrações. "Nossa primeira atitude após o rompimento foi reforçar que o Inhotim continuava seguro, longe da área afetada. Depois, entramos com uma programação educativa e cultural de peso, para movimentar ainda mais o Inhotim. Apresentações com artistas renomados, como Lenine, Pato Fu e Grupo Giramundo, Filarmônica de Minas Gerais e Orquestra Ouro Preto trouxeram milhares de pessoas ao parque", conta Renata Bittencourt, diretora executiva do Instituto Inhotim. "Grande eventos de amplitude internacional também foram muito importantes, como o festival MECAInhotim e o Iron Runner", completa Renata.

A sequência não para. Neste sábado, 10, o espaço inaugura o projeto Palco Brumadinho, que terá uma apresentação por mês, até janeiro de 2020. A proposta é reunir cantores, compositores e grupos tradicionais da cidade. Para iniciar a sequência, sobem ao palco o cantor Thibana, que vai mostrar repertório variado de música popular; o instrumentista André Luis, proprietário do estúdio Atmosfera e estudioso do violão erudito e o Grupo Afro de Canto e Dança Negro por Negro, que vai apresentar as tradições do congo e do congado.

Inhotim não foi atingido pelo rompimento da barragem, mas encarou reflexos da tragédia (Foto: Marcelo Coelho)

Além de abrir espaço para os artistas locais, agenda sonora segue com nomes de peso. No dia 25, é a vez de os Titãs celebrarem os 20 anos do disco "Acústico" com uma apresentação intimista. Hoje um trio composto por Branco Mello, Sérgio Britto e Tony Belloto, a banda deverá mostrar clássicos como "Pra Dizer Adeus" e "Homem Primata". O acesso aos shows é gratuito para os visitantes do espaço, mas sujeito à lotação.

Acervo de arte contemporânea é um dos mais impressionantes do mundo (Foto: Eduardo Eckenfels)

A comunidade também recebeu incentivos para se apropriar do museu. O programa Nosso Inhotim, que garante entrada gratuita aos moradores de Brumadinho, foi ampliado e já conta com mais de 4.000 mil cadastrados. "Hoje, o Inhotim está mais vivo do que nunca, e mais ainda ciente de seu papel na retomada do turismo da cidade. Estamos percebendo as pessoas não só estão retornando ao Inhotim, como também estão se apropriando mais do local, com um sentimento maior de pertencimento", conclui Renata Bittencourt.

Vai lá
Instituto Inhotim
Rua B, 20 – Brumadinho
(31) 3571-9700
(31) 3194-7300

Ingressos
Inteira: R$ 44
Meia: R$ 22
Quarta-feira (exceto feriados): gratuito
Moradores de Brumadinho cadastrados no programa Nosso Inhotim não pagam entrada.

Sobre o autor

João Renato Faria é jornalista de Belo Horizonte, atualmente no jornal O Tempo, e com passagens por Portal Uai, Estado de Minas e revista Veja BH. Gosta de descobrir novidades gastronômicas pela cidade, de música pesada, de rock instrumental e novidades da cena independente. Tem a compulsão de comprar livros mais rápido do que consegue lê-los. Já pensou em se mudar de BH, mas por enquanto a cidade é o único lugar com um feijão-tropeiro decente.

Sobre o blog

A música e a gastronomia de Belo Horizonte são o foco do blog. Os posts abordam tendências sonoras, eventos, atividades de casas de shows e a movimentação da cena independente. Os textos também falam sobre as boas opções de comidas de rua, bares e lanchonetes, veteranas ou recém-inauguradas na cidade.