Blog do João Renato

Topo
Blog do João Renato

Blog do João Renato

Categorias

Histórico

Cinco lugares para se tomar caldo em BH

João Renato

09/07/2019 12h30

Temporada de caldos já começou em BH (foto: Jakub Kapusnak/Foodiesfeed)

Foi meio sem aviso, de repente, que chegou o frio. Acostumada a temperaturas amenas, Belo Horizonte o tem encarado o termômetro lá em baixo, com recorde de 5,7ºC – índice que a cidade não registrava desde 1975. Para esquentar, o belo-horizontino se vira como pode. Tira aquele casaco pesado do armário, fecha as janelas, triplica o número de cobertas e troca os petiscos no bar por um bom caldo. Apesar de a cidade ter perdido recentemente algumas referências no assunto, como o Villa Emporium, no alto da Afonso Pena, ainda é possível provar boas opções de receitas para aquecer. Confira:

Nonô

O controverso corte de boi é cozido por horas até chegar à consistência perfeita


Não é por acaso que o local se auto intitula "rei do caldo de mocotó". A receita feita com patas de boi é praticamente a única opção da casa no centro da capital, que já recebeu até a visita do saudoso Anthony Boudain, e vende até 600 canecas do pedido por dia. Servidas fumegantes, costumam receber também o acréscimo de cebolinha e ovos de codorna, que cozinham lentamente no próprio calor do caldo, que tem sabor forte e um tanto quanto adstringente. O molho de pimenta da casa, um dos mais fortes da cidade, ajuda a completar o combo contra o frio.

Vai lá
Avenida Amazonas, 840, Centro
(31) 3212-7458

Verdinho

Verdinho: restaurante no São Bento conta com receitas clássicas (foto: Divulgação)


Referência no bairro São Bento, o restaurante também preparou uma temporada de caldos para aproveitar o frio. Entre as opções estão clássicos como a vaca atolada e mandioca com carne de sol, que são oferecidos no sistema de bufê, por pessoa.

Vai lá
Avenida Cônsul Antônio Cadar, 122, São Bento
(31) 3293-4047

Néctar da Serra

Néctar da Serra: opções doces e salgadas no sistema self-service (Foto: divulgação)


Com foco na alimentação saudável, as duas unidades oferecem um festival de caldos no inverno, a partir das 18h. São cerca de 20 opções disponíveis no sistema self-service. Além de pedidas como o caldo verde, feito com batata e couve, e a canja de galinha, também são oferecidas receitas diferentes, como palmito, creme de aspargos e abóbora com camarão, além de canjica doce.

Vai lá
Rua Santa Rita Durão, 929, Savassi
(31) 3261-2969

Avenida Bandeirantes, 1839, Mangabeiras
(31) 3281-1466

Casa dos Caldos
Ocupa o espaço do antigo Petiskaldos, na famosa praça Duque de Caxias, no Santa Tereza. Apesar da mudança de nome, a casa manteve o enorme bufê de caldos, que pode ser degustado por um preço fixo por pessoa. Por dia, são cerca de 40 opções. Além das clássicas, como mandioca e feijão, também há sugestões mais requintadas, como o caldo de camarão.

Vai lá
Praça Duque de Caxias, 39, Santa Tereza
(31) 3245-1819

André Caldos

André Caldos: fogão à lenha mantém os preparos aquecidos (Foto:divulgação)


O bar tem jeitão de venda do interior, decorado com objetos antigos, e conta até com um fogão à lenha. É ele quem abriga as panelas com as receitas fixas da casa: mandioca, mocotó, dobradinha com feijão branco – uma opção cada vez mais rara nos botecos – e feijão. Esse último, ao contrário do tradicional, não é batido, e ainda conta com pedaços de linguiça e bacon.

Vai lá
Avenida Raul Mourão Guimarães, 370, Palmeiras
(31) 8854-8296

Sobre o autor

João Renato Faria é jornalista de Belo Horizonte, atualmente no jornal O Tempo, e com passagens por Portal Uai, Estado de Minas e revista Veja BH. Gosta de descobrir novidades gastronômicas pela cidade, de música pesada, de rock instrumental e novidades da cena independente. Tem a compulsão de comprar livros mais rápido do que consegue lê-los. Já pensou em se mudar de BH, mas por enquanto a cidade é o único lugar com um feijão-tropeiro decente.

Sobre o blog

A música e a gastronomia de Belo Horizonte são o foco do blog. Os posts abordam tendências sonoras, eventos, atividades de casas de shows e a movimentação da cena independente. Os textos também falam sobre as boas opções de comidas de rua, bares e lanchonetes, veteranas ou recém-inauguradas na cidade.

Blog do João Renato